quarta-feira

Não sei se amo amar-te



Há muito que a humanidade veio tentar refutar a ideia de que quem ama sofre, dizendo que o amor não magoa, baseando-se no facto de que a felicidade é uma constante do amor, mas eu nunca vi as coisas desta forma. A felicidade é sim uma variante do amor, não uma constante, e entre ela temos o sofrimento, a saudade, a frustração, tanta coisa…. Não somos felizes porque amamos, ser amados e amar pode fazer-nos felizes, mas também pode fazer com que percamos a cabeça.
No entanto, apesar de a teoria a saber eu de trás para a frente, na prática a única coisa que eu sei é que o amo sem medida e isso está a destruir-me por dentro, por vezes já não me reconheço. Nunca fui uma pessoa de correr atrás de algo ou alguém que não me dá o devido valor, aquilo que preciso. Nunca fui de amar, de todo, mas quando amo dou tudo o possível e o impossível, e magoo-me, sempre. Mas com ele cada vez que caiu sinto que é pior do que outra qualquer em que possa ter amado algo ou alguém, ele faz-me a pessoa mais feliz e a mais miserável, ele é tudo e quando é nada eu sou nada e isso é uma merda.
Deixo as palavras morrerem dentro de mim, encarceradas, com um colete de forças, a morrer à fome, sem ar, sem nada, até que desapareçam, e embora não consiga apagar por completo o seu rasto, consigo ignora-las, a maior parte das vezes. 
Porque é que amar-te tem de ser uma montanha russa e não pode ser apenas como pilotar um avião? Numa montanha russa, tens medo, tens altos e baixos sem fim, é emocionante claro, mas não acaba, nunca está bem nem nunca está acabado, está bem, está mal, e vai estando, enquanto pilotar um avião é igualmente emocionante, com a diferença de que apesar de por vezes haver alguma turbulência a maior parte da vezes o resto da viagem corre bem, e se decidir-mos aterrar de bem, ótimo, fazemos uma aterragem rápida e suave, sem deixar arranhões monstruosos de caracter e cada um segue para o seu lado, caso decidamos acabar de mal, tudo bem na mesma, larga-se os comandos e caímos por terra, e nunca mais falamos um com o outro tu morres para mim e eu morro para ti. Ou então continuamos a viagem, imaginando que o combustível seria ilimitado claro, e entre abanões sem importância e outros realmente assustadores, fazíamos a mais bela de todas as viagens. Mas nunca é como nós queremos.
Amo-te mas não sei se amo a ideia de te amar. Odeio-me por não saber o que fazer. Não sei se quero que fiques ou se quero que vás. Mas fica, e ama-me, ajuda-me a encontrar o motivo pelo qual te pedi para ficar… Porque sinceramente juro que às vezes tenho todas as certezas, mas noutros momentos nem sei porque quero que fiques, não sei porque quero ficar.

Fevereiro 2015

sexta-feira


É uma merda esta vida. Quando pensas que tens tudo, perdes quase tudo aquilo que te é mais importante. E o pior é quando o que perdes não é algo mas sim alguém e essa pessoa que antes daria este mundo e o outro para te fazer feliz, agora, simplesmente não quer saber, mas da mesma forma, não te consegue ver mal, porque talvez em parte se sinta culpada, mas também não consegue olhar para ti e pensar “eu amo esta miúda, vou lutar com todas as minhas forças para a fazer feliz do meu lado!”. E isso não acontece porque na sua cabeça tu és alguém de quem ele gosta, sim, mas já não ama. 
Desiste dele, tu ama-lo, mas não podes, ou pelo menos não devias. Ele já não quer um futuro do teu lado, isso para ele já não é sinónimo de felicidade, ele vai e quer deixar outra pessoa entrar na vida dele e preencher esse espaço futuramente, se ele te amasse de verdade, ele não daria espaço sequer para isso, ele não desistia e se o fizesse voltava atrás, se fosses o seu mundo, achas que ele o largaria simplesmente e o deixaria à deriva? Não! E tu não o és, porque ele não quer. 
Habitua-te à ideia e segue em frente. Ele vai fazê-lo acredita, e não é contigo, nem o vai ponderar, aliás ele tem bem assente na sua cabecinha que “contigo não”! Deixa-o ir, antes que seja tarde demais. 
Ele pode ser o teu eterno amor, mas tu não és o dele, eu prometo que um dia vais-te esquecer de te lembrar do seu cheiro, do seu toque, do seu sorriso, da sua voz, do seu olhar, do seu nome, ou pelo menos do efeito que tudo isto em ti causava, e nesse dia vais aprender que não importa que por mais que ames alguém isso nunca irá bastar se a outra pessoa não te amar e estiver disposta a fazer sacrifícios, e ai vais perceber que mais vale amar e ser amada na medida certa, do que amar sem medida, pois quando amas sem medida, ou corre muito bem, ou corre muito mal, e no que toca ao coração, tu agora tens de jogar pelo seguro.